De casa nova!

Depois de um bom tempo sem aparecer por aqui, eu chego cheia das novidades!!! Então, depois que comecei esse blog e voltei a escrever mais fiquei com muita vontade de ter um blog diferente de todos que já tive no sentido mais profissional da palavra. Queria fazer um blog certinho, com domínio e tudo mais que tinha direito. E foi assim que nasceu o Divã Literário.

O Divã vai seu meu cantinho a partir de hoje, mas fiquem tranquilos que não abandonei vocês! Ainda acessarei este blog para visitar os blogs que tanto amo que são vocês! Muito obrigada por despertarem em mim essa vontade de ir atrás de algo maior e melhor!

Espero vocês no meu novo cantinho, que já está no ar, mas ainda estou ajeitando alguns detalhes para deixar tudo lindo para vocês!

www.divaliterario.com.br

A qualidade e variedade da literatura brasileira

Já tem um tempo que venho prestando atenção na quantidade de autores brasileiro que vejo nas livrarias, tanto digitais quando as físicas. Acho que o meu primeiro contato mais significativo com um autor brasileiro foi quando li  Perdida da Carina Rissi. Na época não tinha nem noção que a moça era brasileira e eu nutria um amor incondicional por tudo que era estrangeiro, principalmente dos Estados Unidos. Mas devo dizer que foi uma grata surpresa descobrir que um livro tão bom tivesse sido escrito em terras tupiniquins

Depois de Perdida, vieram muitos outros e hoje, quando entro nos blogs literários é impressionante como a maioria está falando de algum livro brasileiro. Mais recentemente me peguei desejando ardorosamente o livro Dias Perfeitos de Raphael Montes. Desde que li a sinopse e várias resenhas, tenho me segurado para não comprar na primeira oportunidade. Ele é só um dos exemplos de como os livros brasileiros estão ganhando espaço no mercado editorial e fico mais do que satisfeita. Isso mostra que nosso povo – pelo menos parte dele –  está amadurecendo e criando histórias tão ou mais incríveis do que as já costumeiras feitas por estrangeiros.

Hoje já tenho em minha lista de leitura diversos títulos brasileiros que quero comprar. O melhor é que são vários os estilos disponíveis, então basta escolher o que mais te agrada e começar a leitura. Aqui estão alguns que estou doida pra ler:

Procura-se um marido – Carina Rissi

Não Pare! e Não Olhe! – FML Pepper

Dias Perfeitos – Raphael Montes

Série Fazendo Meu Filme – Paula Pimenta

E vocês? Tem algum livro brasileiro que mexe com seu coração rsrs? E o que acha deste novo momento que o mercado literário se encontra no Brasil?

A Culpa é das estrelas (e dos fãs!)

A muito queria fazer um post sobre o tão falado A Culpa é da estrelas, tanto o filme como o livro. Ainda não vi o filme, mas já li o livro antes de virar modinha.  Só que não queria fazer uma resenha, ou falando sobre quão maravilhoso é o livro, até porque eu gostei bastante do livro mas não o considero o melhor livro que já li.

Eis que em minhas andanças pelo Facebook, mais precisamente em um grupo para amantes da leitura, me deparo com um texto bastante interessante falando sobre o aparente sucesso do livro e do filme de A Culpa é das estrelas. Após lê-lo já não sabia mais o que escrever sobre, o autor conseguiu refletir todas minhas impressões e foi além, por isso solicitei a ele permissão para repostá-lo aqui para vocês. Espero que apreciem e deixem suas impressões ao final por favor! 🙂

“O sucesso retumbante do livro de John Green aqui no Brasil serviu de termômetro para que pouca gente duvidasse que o filme homônimo levaria uma legião de fãs para as salas de cinema. Eis que, o longa metragem estreou em primeiro lugar por aqui, desbancando um mega sucesso da Disney e os mutantes super poderosos.
Não posso deixar de considerar como sendo um grande feito, ainda mais em um país onde os jovens carregam “a fama” de ler pouco e chutar muito. Um feito mais acentuado pelo fato de ser em época pré copa e todas as atenções estarem se voltando para o campeonato mundial.
Eu sempre digo que um livro é bom quando atinge o público alvo pretendido. E John Green tem sido muito feliz na sua tarefa, pois consegue chegar com maestria junto a um público que não é mais (ou nunca foi) fã de histórias fantasiosas, mas ainda não quer se debruçar sobre questões desenroladas sob a ótica adulta.
O sucesso de “A Culpa é das Estrelas” se dá pelo fato de despertar a identificação do seu público. O foco da trama é “gente de carne e osso”, que passa por uma situação potencialmente a ser vivenciada por qualquer mortal. E olha que não é fácil falar de vida terminal sem derrapar em tom lacrimejante. O livro foge deste estigma, ao balancear o otimismo e o pragmatismo sobre uma realidade nua e crua que anuncia que a morte será algo inevitável.
É como se os fãs das obras de Green mostrassem que não há tema que não possa ser explorado, por mais espinhoso que seja e o sucesso desse livro reside no fato de dar naturalidade e convencer um público que é tido por gastar de ser over, amar muito; odiar muito e não ver algo além do próprio sabor da juventude. Green lhes apresentou o efêmero. Eles aceitaram. Para o desespero dos que torcem o nariz para esse tipo de literatura e para tudo que faça sucesso.
Neste caminho, esses mesmos fãs me encorajaram a tirar o foco do audiovisual e mover um antigo projeto de vida: voltar-me para a escrita literária de entretenimento. Deixar de procrastinar e revisar um livro que fala de algo delicado, mas de uma forma simples e franca. A culpa é mesmo dos fãs de Green, que me motivaram a sair da zona de conforto. Espero que em breve, não só os seguidores desse escritor, mas todos vocês também digam que aceitam a minha proposta.
Agora o “chutar muito”, é claro, eu me referia a nossa tida habilidade nata quanto ao manejo com a bola de futebol. Embora quem não desenvolve o hábito da leitura, também tende a chutar muito, mas no vestibular. 
Até breve!”

Tonny Cruz – @TonnyCruzBr

A Leveza do Amor

“Os relacionamentos mais bonitos que tive foram aqueles em que a leveza era maior que o peso. Relacionamentos onde não havia o sentimento de propriedade sobre a vida do outro. Desta forma, os momentos vividos isoladamente, um de cada vez, valorizados no instante em que acontecem em toda sua intensidade, possuem mais significado que uma convivência diária desgastante, em que o excesso de intimidade rouba do amor o seu brilho. Com algumas pessoas pode até funcionar, mas não conheço o segredo dessa gente que ama possuir e ser possuído! Eu quero viver a leveza do amor, pois já bastam os outros pesos da vida pra carregar… Não somos almas incompletas em busca de uma metade, somos almas inteiras, compartilhando momentos. Nascemos e partimos daqui a sós!”

Então galera, o dia dos namorados está chegando e não queria fazer um post especifico para o dia, mas uma amiga do facebook postou esse texto e adorei, faça das palavras dela as minhas. Espero que gostem.